Encontrar uma boa equipe na estética faz toda a diferença para a sua empresa, tendo em vista que o crescimento dela depende da realização de um bom trabalho coletivo. 

Nesse contexto, para te ajudar a estabelecer alguns critérios para como montar a melhor equipe possível, abaixo, trouxemos um artigo te explicando os principais pontos que você precisa conhecer a respeito desse tema, confira! 

Caso você queira um acompanhamento que pode te ajudar a aumentar o retorno em sua clínica de estética, veja também nossa consultoria para clínicas de estética.

A importância de ter uma boa equipe

Todo mundo conhece casos de funcionários que trabalham sem vontade e que, por isso, não fazem um bom serviço e nem prestam um bom atendimento. 

Também tem aqueles casos de pessoas que até são bastante simpáticas e atenciosas, mas fazem um serviço ruim e que, por isso, colocam a reputação da empresa em maus lençóis. Ainda, há quem faça um bom serviço, atenda bem os clientes, mas que não tenha um bom relacionamento com os outros membros da empresa, o que faz com que o clima do trabalho fique pesado.

Nesse contexto, o que todos esses casos deixam transparecer é que uma boa equipe reflete na qualidade do serviço que a empresa oferece, no relacionamento com o cliente, em um ambiente de trabalho saudável e até mesmo na reputação que a sua empresa vai ter perante os clientes. 

Sendo assim, escolher uma boa equipe e capacitar ela para defender os valores da sua empresa pode ser a melhor estratégia de venda e de marketing que você pode adotar. Por esse motivo, abaixo, separamos algumas dicas que você pode usar na hora de fazer isso.

Na hora de contratar os seus funcionários

Muitos patrões, quando vão contratar a equipe de funcionários, só levam em consideração as aptidões profissionais, ou seja, se o colaborador vai ser capaz de exercer o cargo para o qual ele está sendo contratado. 

No entanto, a entrevista de emprego deve levar mais coisas em consideração vários outros critérios, por exemplo:

  • Se o candidato é uma pessoa que gosta de aprender: o que é bastante interessante caso você deseje, por exemplo, inserir um novo serviço e queira que ele fique responsável ou caso você queira que os seus contratados façam algo do seu jeito;
  • Se a personalidade dele é agradável, ou seja, se ele é uma pessoa fácil de lidar: isso é muito interessante para transformar o ambiente de trabalho em um lugar mais agradável;
  • Se o colaborador está disposto a vestir a camisa da empresa: em outras palavras, isso significa, por exemplo, se o colaborador tem a mesma visão de mundo que a sua, ou seja, se ele está disposto a ajudar a empresa a crescer;

Depois da contratação: treinamento

Depois de contratar uma equipe que você considera ser boa, é a hora de treinar ela. Nesse contexto em específico, a ideia é transformar os profissionais contratados em colaboradores, fazendo com que eles sejam capazes de te ajudar no caminho para o crescimento da empresa. 

Para isso, existem diversos treinamentos que você pode propor, por exemplo:

  • Treinamento de alguma técnica: caso você deseje que o profissional faça algum procedimento que ele ainda não está apto para fazer, pode propor que ele realize o treinamento para aprender como faz ela;
  • Comunicação: é muito importante que uma empresa seja capaz de fornecer aos clientes um bom atendimento. Sendo assim, treinar o colaborador para que ele seja capaz, por exemplo, de tratar bem os clientes, fazer com que os clientes se sintam acolhidos, ser simpáticos, entre outras coisas. Além disso, a comunicação entre os funcionários e entre o patrão e o funcionário também deve ser incentivada em prol de melhorar a relação no ambiente de trabalho;
  • Oratória: outra parte importante que deve ser treinada no funcionário antes mesmo de ele começar a trabalhar na empresa é a oratória, mais precisamente os vícios de linguagem, palavrões e gírias. Isso porque alguns clientes podem não gostar de serem tratados de maneira tão informal ou de presenciar um funcionário tratando o ambiente de trabalho com tamanho descaso. Portanto, é importante treinar os seus funcionários para usar uma linguagem um pouco menos informal;
  • Práticas administrativas: não que você vai, necessariamente, permitir que o seu funcionário gerencie a empresa sozinho. No entanto, é muito importante que ele conheça algumas práticas especialmente de gestão financeira, pois assim o funcionário pode te auxiliar na tentativa de diminuir o valor de gastos, aumentar a eficiência da empresa e mais;
  • Capacite o seu funcionário com noções de informática: hoje em dia, o mundo está vivendo uma tendência de automatizar e virtualizar tudo, inclusive serviços. Sendo assim, é de extrema importância que o seu funcionário seja capaz de entender, mesmo que minimamente, noções básicas de informática e tecnologia. Dessa maneira, uma opção é oferecer para eles cursos das áreas em questão;
  • Motive constantemente os seus funcionários: seja através de prêmios, da possibilidade de ascensão profissional (uma promoção para um cargo melhor, por exemplo) ou qualquer que seja a estratégia que você use, é importante que você consiga manter a sua equipe plenamente motivada para que seja possível trabalhar com seriedade e conseguir atingir os resultados que você espera para a sua empresa. Nesse contexto, você pode, por exemplo, utilizar estratégias de motivação que foram eficientes em outras empresas como inspiração para definir a da sua ou contratar alguém especializado;
  • Ensine os seus colaboradores a avaliar o próprio desempenho: essa habilidade é bastante útil para que eles próprios sejam capazes de entender quando erram e o que devem fazer para consertar o erro sem que você precise, necessariamente, dizer que foi um erro;

No dia a dia do trabalho

Como dito anteriormente, montar uma equipe é muito importante por diversos motivos. Nesse contexto, para que o trabalho em equipe dê certo, é essencial que você, patrão, trate os seus funcionários como parte de uma equipe e não apenas como “subalternos”. 

Isso significa, por exemplo, aprender a delegar as tarefas do dia a dia, dar uma maior autonomia de decisão para os seus colaboradores possam trabalhar sem que todas as decisões tenham que, necessariamente, passar por você e coisas do tipo.